Morador de Juquitiba vai à ALESP pedir por nova integração na Vila Sônia

Morador de Juquitiba vai à ALESP pedir por nova integração na Vila Sônia

Um morador de Juquitiba viajou cerca de 70 quilômetros entre o município da Grande São Paulo e a capital para pedir a deputados estaduais que ajudassem na criação de uma nova integração na Estação Vila Sônia. O pleito é para que linhas da região sudoeste da Grande São Paulo, que foram cortadas na Estação Vila Sônia, ganhe integração tarifária com o metrô ou com outras linhas de ônibus. Ele esteve na casa na última semana.

De acordo com Wagner Melo, que mora em Juquitiba e administra a página “Mural da Cidadania“, a medida adotada pelo Governo de São Paulo é injusta. “Não é legal tirar as linhas de Pinheiros e obrigar os passageiros a pagar outra passagem para chegar lá”, comentou. Sendo assim, ele elaborou um ofício e o levou aos gabinetes de diversos deputados paulistas. No documento, ele explica a situação do transporte na região após a mudança.

Wagner sugere que os trajetos originais voltem, ou que haja uma integração mais benéfica ao passageiro, como ocorre em outros terminais – como o Campo Limpo, Grajaú ou Sacomã, por exemplo. Ele relata ainda que conseguiu protocolar o pedido junto a diversos deputados. Contudo, ele conta que recebeu atenção especial no gabinete da deputada Mônica Seixas. Ele conseguiu mais de 15 carimbos e assinaturas de deputados dos mais diversos partidos.

Cidadão esteve no gabinete de diversos deputados com os documentos. Nem todos receberam.

Problema de milhares

Conforme mostramos em matéria publicada em Maio, a abertura do Terminal Vila Sônia trouxe mais gastos a parte dos moradores da região. Isso porque, com o corte em linhas da EMTU que antes iam até Pinheiros, os usuários precisam pagar outra passagem para chegar ao bairro. O gasto extra pode chegar à casa dos R$1.400 por ano para quem possuir o Cartão TOP – que faz a tarifa do metrô cair para R$2,90 caso tenha usado um ônibus da EMTU antes.

Os cortes envolveram uma série de linhas oriundas de Embu das Artes, Itapecerica da Serra e Taboão da Serra, com destino à Zona Oeste. Um dos principais motivos é o contrato cerebrado pelo Governo de São Paulo com a ViaQuatro, empresa que opera a linha 4 – Amarela de metrô. Nele, há uma cláusula que estabelece as linhas da EMTU como “risco de perda de receita e demanda”. Dessa forma, o corte de certas linhas da EMTU eliminaria este “risco”.

No entanto, cabe ressaltar que o corte ocorreu também em linhas que não estavam neste contrato – como é o caso de algumas ligações com as cidades de Carapicuiba, Cotia e Osasco. Além disso, as linhas vindas destas cidades não passaram por corte de tarifas; como ocorreu em linhas de Embu e Taboão.

O que diz o governo

A EMTU classifica estes seccionamentos como parte de uma reorganização no transporte da região. “O objetivo da medida é melhorar as condições de trânsito e a fluidez do sistema de transporte público”, diz a estatal.

O portal Linhas Metropolitanas questionou a Secretaria de Transportes Metropolitanos sobre a criação de certas integrações que mitigariam este aumento de custos aos passageiros. Em resposta, a pasta disse que a EMTU está analisando o comportamento da demanda após o corte nas linhas, “a fim de realizar os ajustes necessários para melhor atender os usuários”.


Já conhece todos os canais do portal Linhas Metropolitanas? Não? Então, saiba que nossa rede se estende pelo Facebook, Twitter, Instagram e YouTube! Clique/toque aqui e siga-nos nas redes sociais!

Compartilhe esta notícia:
Allef

Allef

Um comentário em “Morador de Juquitiba vai à ALESP pedir por nova integração na Vila Sônia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.